Saia de saia: em pleno “girl power”, a peça torna-se hit

01 - 08 - 2014

mequetrefismos-saia-dolce-gabanna

Em tempos de frequentes discussões sobre feminismo e assuntos que o englobam, dentre eles os debates sobre a autoestima, objetificação e ditadura da beleza, chega a ser irônico, mas é o momento em que shorts e calças ficam guardados no closet para, mais uma vez, as saias conquistarem as passarelas e as ruas. Retorno da exaltação da mulher como “sexo frágil”? Nada disso! A mais recente peça queridinha do mundo da moda, ícone máximo da feminilidade, deixa de lado o seu tom mais vulnerável e reforça o “empowerment” feminino com seu vasto repertório de modelos, que já invadem as principais coleções e street style ao redor do globo.

Imagem: reprodução/Pinterest

Imagem: reprodução/Pinterest

Trompete para uns, sino para outros, não importa: a principal modelagem da temporada tem um nome que soa um tanto quanto musical. Conhecido internacionalmente por trumpet skirt, o shape afunilado, arrematado por um generoso babado que só mulheres como a imponente Carmen Miranda conseguem assumir, já caiu nas graças de “it” girls como Olivia Palermo e Miroslava Duma. A peça, que também promete ser uma paixão nacional, foi um dos destaques das fashion weeks do país e apareceu em passarelas como as da Espaço Fashion e Lolitta.

Imagem: reprodução/Pinterest

Imagem: reprodução/Pinterest

Lady, romântico e repleto de atitude. Modelagens que recriam o glamour icônico de Christian Dior, Cristóbal Balenciaga e todo o demi-couture dos anos 50 também são muito bem-vindos para o Verão 2015. Porém, o que era extremamente “adociacado” e meigo recebe uma leitura cool e femme fatale, até mesmo com um “quê” fetichista como no desfile de Alexandre Herchcovitch. Assim como Dolce Gabbana e Oscar De La Renta, o designer foi mais um a beber da fonte de mulheres como Marilyn Monroe , Sophia Loren e Rita Hayworth, não somente pelos figurinos e belezas ímpares, mas também por suas respectivas personalidades e poder que marcam os primeiros passos dos ideais feministas.

Imagem: reprodução/Pinterest

Imagem: reprodução/Pinterest

Outro modelo que também sela o seu retorno triunfal são as minissaias. Desenvolvida por Mary Quant nos anos 60 e peça-ícone de gerações como as de 90 e 2000, o modelo volta em sua forma mais plena. As versões em jeans destroyed, em que a regra é “quanto mais detonado, melhor”, pontuam a transgressão e subversão do já clássico “Rockstar Style”, que veste impecavelmente bem a casualidade das principais tops do mundo em suas horas “off Duty”. Ainda na vertente mais moderninha, as peças assimétricas dão a sua contribuição e tomam de assalto os cliques de moda de rua.

 

Imagem: reprodução/Pinterest

Imagem: reprodução/Pinterest

Por último, mas não menos importantes, estão as saias evasês, que agora ganham um shape mais encurtado. O modelo tornou-se o protagonista das coleções de Resort 2015, nas mais variadas versões; dentre elas, a sofisticada alfaiataria “fresh” de Fausto Puglisi, o safári-exuberante de Roberto Cavalli ou, ainda, na proposta “groovie” 70’s da Miu Miu. Todos com uma leveza cool e extremamente despretensiosos, sem explorar uma feminilidade piegas. Afinal, como já dizia Che Guevara, “Há que endurecer-se, mas sem jamais perder a ternura”.

 

Imagem: reprodução/Pinterest

Imagem: reprodução/Pinterest

 

{Conteúdo produzido originalmente para Puretrend}